sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Diagnóstico Laboratorial das KPC - Parte II "O TESTE DE HODGE MODIFICADO"

Como já foi dito anteriormente, a detecção laboratorial de uma bactéria portadora do gene KPC é difícil, fazendo necessária a utilização de algumas técnicas moleculares, para a identificação deste gene.

Mas hoje vamos falar de um teste bastante utilizado nos laboratórios de microbiologia: O TESTE DE HODGE MODIFICADO (THM)

O Teste de Hodge é utilizado nos laboratórios clínicos ( e quando são) para verificar a presença de carbapenemases. O teste é simples, numa placa contendo o meio de cultura ágar muller hinton, semeia-se uma cepa sencível ( ATCC 25922), que se trata de uma Escherichia coli sensível a todas as drogas. O semeio deve ser realizado com auxílio de um swab, espalhando a suspensão bacteriana por toda a extensão do meio de cultura, a fim de forma-se um tapete.


Semeio em placa de petri - Observa-se que toda a placa deve ser tomada pela suspensão bacteriana.

 Após a placa seca, adiciona-se ao centro do meio de cultura um disco de antimicrobiano carbapenêmico ( meropenem ou ertapenem) e faz-se estrias do isolado que se quer testar do centro da placa até sua periferia.


O teste de hodge positivo se confirmará, quando houver uma distorção no halo de inibição da cepa ATCC como mostrado na figura acima. Isso confirmará que a cepa é produtora de uma carbapenemase. Mas é importante ressaltar que esse teste apenas foi validado para testar isolados de Klebsiella pneumoniae produtoras de carbapenemases, ou seja, em outras espécies bacterianas o MIC (Concentração Mínima Inibitória) deve ser realizado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário